Translate

🌼CORAÇÕES VIAJANTES🌼

terça-feira, 18 de janeiro de 2022

V - 🌼CANTARES DO POVO🌼 - Letrista - Megy Maia

 

LETRA DA CANÇÃO


A Barca

🌼Viajo,
pensando nos beijos ardentes, 
que me deste na barca perdida,
debaixo de estrelas cadentes.

Hoje está ventoso,
mas a barca, espera, espera, por nós dois.

Sinto,
tanta saudades, 
dos remoinhos,
do nosso revolto amar,
volta meu amor,
para um novo emaranhar.

Hoje está ventoso,
mas a barca, espera, espera, por nós dois.

Não, me digas não,
sei que nada é perfeito,
sabes que um adeus doí, 
doí cá dentro do peito.

Hoje está ventoso,
mas a barca, espera, espera, por nós dois.🌼

🌼Letrista - Megy Maia

sábado, 8 de janeiro de 2022

CXVI - RASCUNHOS

❤Ouvindo tua voz,
do outro lado da linha,
sinto, sinto, medo,
de adormecer de novo sozinha.
Teu nome grito,
a saudade doí,
perdeste - te no labirinto,
de outros lençóis.
O meu coração,
olha a lua,
nela vejo o reflexo,
de uma alma nua.
Desligo e reflito,
entre palavras anciãs,
quero esquecer o tremor,
de ver chover lágrimas vãs.

❤Megy Maia

sábado, 11 de dezembro de 2021

CXV - RASCUNHOS

❤Por entre labaredas de fogo,
nossas almas ofegantes,
dançavam à luz das estrelas,
junto ao caís abandonado.
Lá ao longe,
uma barca estridentemente,
cantava uma serena melodia.
A lua envergonhada,
observava sorrateiramente,
o brinde de um doce amar.
Um amar sem chuviscos,
pintado de mares de sonhos.
Uma tela solitária,
numa noite perfeita.❤

❤Megy Maia

quarta-feira, 24 de novembro de 2021

CXIV - RASCUNHOS

❤Senti que o quente de teus lábios,
quebraram o gelo,
da distância entre nossos olhares,
viajantes de um tempo,
onde a saudade do teu sorriso,
era a página esquecida,
de um doce folhear.
Fiquei prisioneira entre as chuviscas,
de nossos desnudos viajares,
entre castelos erguidos,
em cada madrugar.
Perdi - me nas tuas asas,
na fogosa paixão escrita na folhagem,
remexida pela ventania,
sem fim à vista.
Renasci das cinzas,
e não quero perder,
a sombra da loucura,
dos escritos do nosso viver.❤

❤Megy Maia
LXXXIX - 16/08/2020

sábado, 13 de novembro de 2021

CXIII- RASCUNHOS

❤A lembrança,
ficou gravada, 
nos lençóis amarrotados,
naquela noite despida de preconceitos,
onde tua alma nua,
envolta na minha,
tocou nas cordas do violão,
uma angélica melodia.
A lua sorria,
vendo através da janela,
tamanho vendaval,
que se refletia,
entre sombras do fogo sentido.
O fogo era frio,
o frio era fogo,
entre rios de risos entretidos,
nesta tempestuosa batalha,
de dois anjos esvoaçando.❤

❤Megy Maia

terça-feira, 2 de novembro de 2021

CXII - RASCUNHOS

 ❤O sol despertou,
meio envergonhado,
por entre nuvens de algodão,
tão macias,
que até se confundiam com a espuma,
deleitosa do mar.
Este queria,
ver o frenesim de dois olhares,
que tingidos de fartas lágrimas,
queriam reatar um antigo amor.
E a sedução aconteceu.
Entrelaçaram - se,
entre teias de aranha.
E no ar,
sentiu - se um aroma floral,
de corpos húmidos,
despidos de preconceitos,
envoltos num mistério,
de tão incógnito amar.❤

❤Megy Maia
XXXVIII - 20/02/2020

sexta-feira, 22 de outubro de 2021

CXI - RASCUNHOS

❤ Amor,
vai ter com o teu mar,
inquieto,
como as estrelas cadentes,
dançantes, ardentes.
Estrelas esculpidas,
nas ravinas de um beijar,
sombrio, fugidio,
beijoqueiro, frio.
Ateia a fogueira incendiante,
onde ondas tão cintilantes,
escondem a solidão,
das cordas do violão,
que lá ao longe,
se enamora pela escravidão,
de um olhar,
que se perdeu num tempo longínquo,
e sem hora para regressar.❤

❤Megy Maia
XXI - 02/02/2020

terça-feira, 12 de outubro de 2021

CX - RASCUNHOS

 ❤Já ouvi esse barulho,
é o barulho do ciúme,
que desfragmenta a desilusão,
de um  coração fadado,
nas mãos de um eterno vadio.
O cristalino adoeceu,
a negridão transbordou,
a saudade partiu,
o jardim secou,
o beijo chorou,
o pintor o negou,
na tela, 
que de um tingido extravagante,
virou cilada,
de uma efémera ignorância.❤

❤Megy Maia
XXXVI - 17/02/2020

sexta-feira, 1 de outubro de 2021

CIX - RASCUNHOS

❤ Mal me quer,
bem me quer,
vou eu desfolhando,
pela seara fora.
O sol cantarolando,
entusiasmado tenta me distrair,
com as gotas de orvalho,
que meus pés acabam de sentir.
Mas, não perco o rumo,
nem o norte.
Não estou perdida nem à sorte,
apenas com vontade,
do último dizer,
da singela folha,
que acabou de esvoaçar.
e que lentamente,
toca meu ebúrneo coração.❤

❤Megy Maia
XXXIV - 15/02/2020